IDM Cardio

Notícias
voltar

13/07/2017 às 10:45h

Infecção respiratória pode ser gatilho para problemas no coração

Infecção respiratória pode ser gatilho para problemas no coração

As infecções respiratórias são comuns no inverno, mas é preciso cuidar, pois elas podem ser um gatilho para problemas no coração.

O risco de ataque cardíaco é 17 vezes maior após infecções respiratórias como bronquite, gripe e pneumonia, de acordo com um estudo da Universidade de Sydney. Quando a infecção é das vias áreas superiores (resfriado, rinite e sinusite), o risco diminui para 13 vezes.

O pneumologista, Daniel Deheinzelin, explica que quando temos uma infecção respiratória, o corpo todo fica inflamado e aumenta a chance de lesão no coração. Outra possibilidade é que, se o pulmão está doente, ele não consegue absorver o sangue como deveria e causa uma sobrecarga no coração.

De acordo com o consultor Roberto Kalil, o número de infartos e AVC aumenta em 30% e 20%, respectivamente durante o inverno. Isso ocorre porque o organismo, com o objetivo de elevar a temperatura interna, contrai os vasos sanguíneos que irrigam a pele e o coração precisa fazer mais força para bombear o sangue.

É importante que grupos mais frágeis, como os idosos, hipertensos, diabéticos, obesos, fumantes e sedentários, redobrem o cuidado no inverno e evitem exposição prolongada ao frio, ambientes fechados e às mudanças bruscas de temperatura. Também é importante manter-se hidratado.

Fonte: Site Bem Estar
 


Leia também:

Como o azeite de Oliva pode ajudar a evitar doenças cardíacas
Infarto e gênero: problema é mais grave nas mulheres
Pequenas mudanças na alimentação reduzem o risco de doenças cardiovasculares
Amamentação pode reduzir risco de infarto e AVC
Circunferência do pescoço pode indicar problemas de saúde

Listar todas »

Instagram

@idmcardio

Fique por dentro

Mortes em casa por doenças cardiovasculares aumentam em 32% na pandemia

Mortes em casa por doenças cardiovasculares aumentam em 32% na pandemia

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) associa os casos ao acesso limitado aos hospitais no período e o medo da Covid-19

Saiba mais