IDM Cardio

Notícias
voltar

28/09/2017 às 04:02h

Infarto e gênero: problema é mais grave nas mulheres

Infarto e gênero: problema é mais grave nas mulheres

Até os 60 anos de idade, os homens têm mais propensão a desenvolver problemas cardíacos que as mulheres. A questão é biológica. “As mulheres têm o hormônio estrógeno, que confere certa proteção às coronárias, dificultando entupimentos e, consequentemente, a angina e o infarto”, explica o cardiologista, dr. Marcelo Cantarelli.

O estrógeno age no metabolismo do colesterol aumentando os níveis do colesterol bom (HDL) e diminuindo os do ruim (LDL). Isso diminui a chance de formar obstruções. Mas essa proteção vale para mulheres que não estão expostas aos fatores de risco. “Hipertensão, colesterol, diabetes, obesidade, estresse e hábitos nocivos como alimentação inadequada, sedentarismo e, principalmente, o tabagismo, superam a proteção promovida pelo estrógeno”, explica Cantarelli.

Além disso, quando entram na menopausa, elas param de produzir estrógeno, o que as deixa mais suscetíveis a problemas cardíacos. E não adianta recorrer à reposição hormonal, “grandes estudos provaram que não há melhora na saúde cardiovascular das mulheres menopausadas”, explica o médico.

Os sintomas também são diferentes entre os sexos. Enquanto os homens vivenciam os clássicos sintomas de dores fortes no peito e formigamento no braço, as mulheres sentem fadiga intensa, náuseas e dor na boca do estômago. Como são sintomas mais genéricos, muitas vezes ela não se dá conta de que pode estar infartando e confunde com uma doença qualquer.

Independentemente do sexo, tanto homens quanto mulheres devem ficar atento à saúde do coração. No Brasil, uma pessoa morre a cada cinco minutos vítima de parada cardíaca (muitas vezes causada pelo infarto), sendo essa a primeira causa de morte no país. “Se há diferenças para homens e mulheres, os cuidados são iguais para ambos os gêneros. Identificar e controlar os fatores de risco, evitar o tabagismo e manter atividade física regular e alimentação saudável durante a vida é um dever de ambos”, finaliza Cantarelli.

Fonte: Com informações do site Coração Alerta


Leia também:

Pequenas mudanças na alimentação reduzem o risco de doenças cardiovasculares
Infecção respiratória pode ser gatilho para problemas no coração
Amamentação pode reduzir risco de infarto e AVC
Circunferência do pescoço pode indicar problemas de saúde
Estrela das festas juninas, amendoim ajuda a prevenir infarto e derrame

Listar todas »

Facebook

Médico da nossa equipe participou no fim de semana da Jornada de Arritmias

@idmcardio

Instagram

#idmcardio

Fique por dentro

14 dicas de prevenção

14 dicas de prevenção

Cuidados e alertas que ajudam a prevenir doenças cardiovasculares e contribuem com o bem-estar

Saiba mais